acid baby

...

 A voz me pergunta — familiar mas opaca  — sobre o andar de meus dias. Pergunta-me sobre como bate meu coração. E eu respondo, com uma sinceridade lastimosa: digo-lhe que as coisas tem até sucedido-se de forma serena; os dias têm certo brilho. Nada vai mal, na verdade. Ele me olha como quem não assimila.

 "E essa angústia, de onde vem?"

  Dou de ombros. Baixam-se minhas pálpebras cansadas sobre os grandes olhos murchos; escondo-me da resposta, dissimulo.

 "Não sei."

(Meu corpo carrega o pesar da alma desamada por quem mais quer, meu senhor; não há no mundo o que tape este rasgão). 

3 comentários:

  1. Senti-me como a protagonista não faz muitos dias. Mesmo que tudo pareça bem, uma parte bem ao fundo ainda está aflita e tristonha. Talvez sempre seja assim meso.

    ResponderExcluir
  2. Sim, tenho me sentido da mesma forma.
    É como se sempre faltasse algo...

    https://noitecer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olha amg, estive num feeling semelhante onte, engraçado com tais sensações e sentimentos vem e vão né, mas acho que esse vão deve existir, como que pra nos ensinar algo. Ao menos gosto de pensar assim,

    passa bem
    xoxo

    ResponderExcluir

♥ sinta-se à vontade, meu amor, mi casa es su casa. só lembre-se: respeito acima de tudo. ♥